Regras de Bolsas

Não há garantia de bolsas de estudos a todos os alunos regulares ingressantes ao curso de mestrado do PPgSI. Isso depende do momento de ingresso, do número atual de bolsas, do número de ingressantes interessados em bolsas, dos programas de bolsa existentes em cada momento, da atual situação dos atuais bolsistas, entre outras possíveis situações. Importante notar que a simples manifestação de interesse por bolsa e posterior classificação na lista de bolsas não significa necessariamente atribuição de bolsa. Para informações mais precisas, acesse as informações abaixo:

Bolsas Capes / Demanda Social (DS) (cota do Programa):

O aluno interessado em bolsa Capes/DS, pela cota do PPgSI, deve manifestar seu interesse durante sua primeira matrícula no curso, por meio de sua ficha de matrícula. Caso o interesse surja após sua matrícula, o aluno deve comunicar o SPG via e-mail.

pdf-icon Documento que define as regras para distribuição e manutenção de bolsas Capes/DS da cota do programa aos alunos (calouros e veteranos) do PPgSI.
pdf-icon Lista atualizada de classificação de bolsas Capes/DS da cota do programa (alunos contemplados e lista de espera).

Bolsas Capes / Demanda Social (DS) (cota da PRPG) – “Bolsa Emergencial”:

O aluno interessado em bolsa Capes/DS, que não conseguir bolsa pela cota do PPgSI (ficando em lista de espera), pode manifestar seu interesse por uma “Bolsa Emergencial” da cota geral da PRPG.

pdf-icon Critérios para atribuição de bolsas DS da cota da PRPG.

As regras para solicitação e atribuição de bolsas emergenciais (da cota da PRPG) têm sido alteradas constantemente por parte da PRPG. Os alunos interessados devem contatar o SPG a fim de verificar se as regras acima disponibilizadas são as mais atualizadas.

Requisitos para ser bolsista Capes/DS (cota do Programa ou cota da PRPG), de acordo com a Portaria n° 76, de 14/04/10 – Novo Regulamento – DS:

Art. 9º. Exigir-se-á do pós-graduando, para concessão de bolsa de estudos:

I – dedicação integral às atividades do programa de pós-graduação;

II – quando possuir vínculo empregatício, estar liberado das atividades profissionais e sem percepção de vencimentos;

III – comprovar desempenho acadêmico satisfatório, consoante às normas definidas pela instituição promotora do curso;

IV – não possuir qualquer relação de trabalho com a instituição promotora do programa de Pós-Graduação;

V – realizar estágio de docência de acordo com o estabelecido no art. 18 deste regulamento;

VI – não ser aluno em programa de residência médica;

VII – quando servidor público, somente os estáveis poderão ser beneficiados com bolsas de mestrado e doutorado, conforme disposto no art. 318 da Lei 11.907, de 02 de fevereiro de 2009;

VIII – os servidores públicos beneficiados com bolsas de mestrado e doutorado deverão permanecer no exercício de suas funções, após o seu retorno, por um período igual ao de afastamento concedido (§ 4º, art. 96-A, acrescido pelo Art. 318 da Lei nº 11.907, de 02 de fevereiro de 2009 que deu nova redação à Lei 8.112, de 11 de dezembro de 1990);

IX – ser classificado no processo seletivo especialmente instaurado pela Instituição de Ensino Superior em que se realiza o curso;

X – fixar residência na cidade onde realiza o curso;

XI – não acumular a percepção da bolsa com qualquer modalidade de auxílio ou bolsa de outro programa da CAPES, de outra agência de fomento pública, nacional ou internacional, ou empresa pública ou privada, excetuando-se:

  1. poderá ser admitido como bolsista de mestrado ou doutorado, o pós-graduando que perceba remuneração bruta inferior ao valor da bolsa da respectiva modalidade, decorrente de vínculo funcional com a rede pública de ensino básico ou na área de saúde coletiva, desde que liberado integralmente da atividade profissional e, nesse último caso, esteja cursando a pós-graduação na respectiva área;

  2. os bolsistas da CAPES, matriculados em programas de pós-graduação no país, selecionados para atuarem como professores substitutos nas instituições públicas de ensino superior, com a devida anuência do seu orientador e autorização da Comissão de Bolsas CAPES/DS do programa de pós-graduação, terão preservadas as bolsas de estudo. No entanto, aqueles que já se encontram atuando como professores substitutos não poderão ser contemplados com bolsas do Programa de Demanda Social;

  3. conforme estabelecido pela Portaria Conjunta Nº. 1 Capes/CNPq, de 12/12/2007, os bolsistas CAPES, matriculados em programas de pós-graduação no país, poderão receber bolsa da Universidade Aberta do Brasil – UAB, quando atuarem como tutores. Em relação aos demais agentes da UAB, não será permitido o acúmulo dessas bolsas.

Sobre acúmulo de bolsa (Capes) e vínculo empregatício, seguem documentos que tratam de casos especiais:

pdf-icon Portaria Conjunta Capes e CNPq No 1, de 15 de julho de 2010.
pdf-icon Nota sobre acúmulo de bolsa e vínculo empregatício em relação a Portaria Conjunta.
pdf-icon Circular sobre Cadastramento de bolsistas com vínculo empregatício remunerado.
pdf-icon Esclarecimentos das condições nas quais o acúludo de bolsa DS/Capes é permitido.

Para bolsistas Capes (cota do Programa e cota da PRPG): 

Consulte informações sobre Programa PAE.
Façam ou atualizem seus cadastros no sistema do governo federal para poderem receber suas bolsas.

Para bolsas Fapesp: 

Para obter bolsas da Fapesp, é necessário que o aluno juntamente com seu orientador faça um pedido de bolsa específico diretamente a essa agência de fomento. Para isso, é necessário que um projeto de pesquisa seja apresentado.

O aluno já precisa estar oficialmente matriculado no curso de mestrado para poder entrar com o pedido de bolsa na Fapesp. Porém, de comum acordo com seu orientador, é possível iniciar a elaboração do projeto antes da matrícula, uma vez que essa tarefa demanda bastante tempo e esforço. Para isso, é importante que o aluno tenha certeza que realmente se matriculará no curso de mestrado.

Consulte informações no website da Fapesp e converse com seu orientador.

Valores das bolsas: 
Sobre estágios: 

Alternativamente a bolsas de estudos, os alunos regulares do mestrado podem realizar estágios em empresas que desejem oferecer estágios para alunos em nível de pós-graduação, de forma similar a estágios realizados por alunos em nível de graduação. Nesse caso, a responsabilidade por encontrar tais empresas e ser selecionado para o estágio é do aluno interessado. Uma vez selecionado para estágio, o aluno deve contatar o SPG para formalizar o estágio perante a EACH-USP, o qual é um procedimento obrigatório. O estágio deve ser realizado necessariamente na área de computação, sistemas de informação, tecnologia da informação, ou em áreas bastante correlatas; e não precisa ser necessariamente na área de seu projeto de pesquisa.